A LIGA DO ARAGUAIA é definida pelos projetos que vem realizando ao longo dos seus 6 anos de atividades, concretizando conhecimentos em pecuária sustentável e avançando na geração de suas melhores práticas. Conheça:

O projeto Carbono Araguaia, uma parceria da Liga do Araguaia com a DOW Brasil, é uma iniciativa pioneira de monitoramento da redução de emissões de gases de efeito estufa (GEE) na pecuária, resultante da adoção e disseminação de práticas de manejo e intensificação sustentável por integrantes da Liga do Araguaia.

Uma iniciativa dos próprios pecuaristas, contou com a adesão de 24 fazendas localizadas no Vale do Araguaia, no Mato Grosso, responsáveis por uma área de 79.905 hectares de pastagens. A Dow foi parceira da Liga do Araguaia nesta iniciativa de 2016 a 2020. Seus resultados foram apresentados em um Dia de Campo virtual realizado em 26 de março para os integrantes do movimento.

Iniciado em 2016, o projeto foi concluído em março de 2021 e apresenta resultados positivos, demonstrando que a pecuária que se pratica no Brasil pode ser uma importante ferramenta para mitigar as emissões de GEE provenientes da atividade, quando adotadas práticas de intensificação sustentável e integração.

Dentre tais práticas, destacam-se a “reforma e restauração de pastagens” e a “integração lavoura pecuária,” técnicas em uso crescente pelas fazendas da Liga do Araguaia e com resultados comprovados no Cerrado. O projeto Carbono Araguaia comprova que a pecuária tem capacidade de remoção de GEE pelas pastagens, quando observadas as práticas sustentáveis testadas no projeto pelas fazendas participantes.

O projeto Carbono Araguaia é uma evidência de que o Brasil tem um modelo tropical de pecuária a pasto que incorpora o benefício da mitigação de GEE por meio da adoção de práticas sustentáveis testadas pela iniciativa e que podem ser replicadas para reduzir os impactos ambientais por meio da recuperação de pastagens degradadas, como também garantir maior lucratividade com a intensificação feita de forma sustentável.

Números auditados

Ao longo do período de cinco anos o projeto Carbono Araguaia mitigou o equivalente a 113.928 ton. CO2 equivalente, a partir de metodologia adotada e reconhecida internacionalmente, devidamente validada através de auditorias internacionais terceiras independentes.  

Além do benefício de mitigação de carbono, o projeto contribuiu também para o desenvolvimento sustentável daquela região do Vale do Araguaia Matogrossense, já que as fazendas participantes mostram grande progresso em alguns indicadores como 43 mil ha de pastos recuperados; aumento do rebanho de 73.127 cab. no ano base para 107.048 cab. em 2019/20; aumento na lotação de 0,89 cab/ha no ano base para 1,4 cab/ha em 2019/20 (+ 64%); e redução da idade de abate de 28 meses para 22 a 24 meses.

A partir de abril de 2021 o projeto seguirá de forma independente com o objetivo de realizar o balanço líquido de emissões de um grupo de fazendas da Liga do Araguaia, contemplando as emissões oriundas das diferentes fontes e remoções totais do carbono florestal e do solo, incluindo a formatação de um modelo de comercialização dos créditos de carbono a serem obtidos a partir do encerramento da parceria com a Dow.

Parcerias:

Voltado ao apoio às atividades de intensificação sustentável e restauração florestal na região, o projeto Campos do Araguaia, já finalizado, foi fruto de parceria da LIGA DO ARAGUAIA com a TNC, The Nature Conservancy, com o apoio do IDH, The Sustainable Trade Initiative.

Criada em 1951, a TNC é a maior organização de conservação ambiental do mundo. Atuando em mais de 35 países, vem trabalhando no Brasil desde 1988 onde atua em todos os biomas do país. É sua primeira parceria em projeto de pecuária no Estado de Mato Grosso.

Foram os seguintes os principais objetivos do projeto Campos do Araguaia:

  • Apoio às atividades de intensificação da pecuária de corte da região;
  • Remoção de barreiras à adoção de práticas de intensificação sustentável;
  • Apoio às atividades de restauração e interligação de fragmentos florestais;
  • Divulgação e replicação das lições aprendidas e articulação institucional para inserção nas políticas públicas.

Até Abril 2019, data da sua finalização, o projeto Campos do Araguaia atendeu 36 produtores, correspondendo a 59 propriedades com área total de 108.000 hectares, 62.000 hectares de pastagens, 47.000 hectares de Áreas de Vegetação Nativa e 9.500 hectares de APPs. 

Parceria:

O projeto Garantia Araguaia, em implantação através de parceria estabelecida com o Imaflora, Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola, tem os seguintes objetivos principais:

  • Levantamento de indicadores e desenvolvimento de ferramenta de  Monitoramento,  Reporte e Verificação (MRV), relacionada às práticas produtivas e socioambientais de produtores rurais participantes dos projetos da LIGA DO ARAGUAIA para futura conformidade e certificação pelas normas da Rede de Agricultura Sustentável (RAS) / Certificação Rainforest Alliance, em conformidade com os indicadores do GIPS/GTPS;
  •  Desenvolvimento de um sistema de Validação e Verificação de Emissões de Gases de  Efeito Estufa das atividades agropecuárias dos membros da LIGA DO ARAGUAIA a partir da metodologia e resultados alcançados com o projeto Carbono Araguaia;
  •  Desenvolvimento de estratégia de acesso a mercados e seus operadores que reconheçam os atributos de qualidade e sustentabilidade inerentes ao processo de produção e produtos produzidos no âmbito das fazendas participantes dos projetos da LIGA DO ARAGUAIA.

A adoção da ferramenta MRV dá transparência às boas práticas agropecuárias e socioambientais adotadas pelos pecuaristas dos projetos da LIGA DO ARAGUAIA, objetivando a ampliação de vantagens competitivas e redução de emissões de GEE, garantindo a origem do produto, a gestão e o cumprimento de critérios produtivos e socioambientais alinhados a demanda por uma produção sustentável e compromissos da agenda climática.     

Em sua primeira fase (Fase I) foram avaliadas 14 fazendas através de 144 requisitos relativos a quatro temas principais (Carbono; Boas Práticas; Desempenho e Governança), representando 35.646 ha de pastagens e um rebanho de 25.643 cabeças totalmente monitorado pela ferramenta de gestão.

Parte-se agora, através do suporte oferecido pelo projeto REBANHO Araguaia, para a fase final do desenvolvimento do protocolo GARANTIA Araguaia, que será aplicado em todas as cerca de 60 fazendas participantes da Liga do Araguaia.

Parceria:

Visando validar e buscar a futura certificação da redução de emissões de GHG (Gases de Efeito Estufa) obtida nas fazendas participantes dos projetos da Liga do Araguaia foi firmado “Acordo de Cooperação” com o CNPGC/Embrapa Gado de Corte, de Campo Grande, MS. Denominado Projeto BC Araguaia (Baixo Carbono Araguaia), tem como objetivo examinar a viabilidade técnica de considerar os sistemas de “intensificação” e de “integração lavoura-pecuária” como sistemas pecuários para mitigação de gases de efeito estufa, buscando o enquadramento dessas práticas nas diretrizes estabelecidas pela Embrapa no protocolo CBC, Carne Baixo Carbono, visando futura validação e certificação.

Parceria:

Liga do Araguaia e JBS implantam projeto para apoiar a gestão da produção e de boas práticas na pecuária de corte do Vale do Araguaia.

O Projeto REBANHO ARAGUAIA está sendo implantado em três ciclos, 2020/21; 2021/22 e 2022/23, devendo atender 32 fazendas do Médio Vale do Araguaia para promover boas práticas sustentáveis.

A Liga do Araguaia, em parceria com a Friboi, unidade de negócios de carne bovina da JBS, iniciou em 2020/21 as ações do Projeto REBANHO ARAGUAIA,  promovendo o desenvolvimento da pecuária sustentável na região do Médio Vale do Araguaia, localizada no estado de Mato Grosso.

Neste primeiro semestre de 2022 finaliza-se o Segundo Ciclo do projeto, que até o momento está atendendo 15 fazendas de uma total previsto de 30 fazendas a serem atendidas nos três anos do projeto. Os produtores foram selecionados por seus esforços na adoção de práticas de intensificação sustentável e no aumento da produtividade na pecuária de corte da região. A previsão é de que 15 novas fazendas participem do projeto no próximo ano agrícola 2022/23.

Focado no apoio a gestão produtiva e de boas práticas dessas fazendas, o projeto prevê atividades de capacitação e acompanhamento, incluindo a utilização de ferramentas de gestão da produção e de boas práticas, com monitoramento da redução de emissões de Gases de Efeito Estufa.

O Projeto REBANHO ARAGUAIA apoia práticas de intensificação sustentável na pecuária de corte da região, como a restauração e reforma de pastagens degradadas, adoção de modelos de integração lavoura-pecuária (ILP), regularização ambiental, atividades de fomento com estímulo à redução de emissões de Gases de Efeito Estufa (GHG) e a conservação e restauração de áreas florestais (APPs e RLs). Além disso, o movimento liderado pela Liga do Araguaia visa estimular o uso de mecanismos que valorizem o ativo ambiental da região, por meio do apoio a regulamentação de instrumentos de compensação financeira dos ativos florestais e de biodiversidade (Pagamento por Serviços Ambientais – PSA).

No projeto, a equipe técnica da Liga faz a organização dos pecuaristas, enquanto a Friboi subsidia a contratação de consultorias especializadas em gestão da propriedade para a intensificação das suas pastagens, garantindo melhor produtividade por área e reduzindo a necessidade de novas áreas de pastos, o que contribui para a preservação da vegetação e biodiversidade local. Com isso, os pecuaristas passam a ter melhores condições para investir,
aumentam seus indicadores de produtividade, melhoram a qualidade dos seus
animais e, principalmente, colaboram com a sustentabilidade da produção.  

Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora), o Inttegra – Instituto de Métricas Agropecuárias e a Ímpar – Consultoria no Agronegócio são parceiros estratégicos do projeto. As consultorias realizam uma imersão nas fazendas para levantar dados e indicadores de sustentabilidade e métricas gerenciais, que são usados para facilitar inovações no setor, promover melhorias nos planos de ação e na gestão dessas fazendas, além de criar sinergia de processos entre os pecuaristas da Liga do Araguaia.

A parceria da Liga do Araguaia com a JBS  fortalece a produção de carne sustentável no Cerrado, respondendo a demanda de players relevantes que buscam produtos com forte responsabilidade socioambiental, que reúnam atributos de qualidade e sustentabilidade. O objetivo é transformar a região, uma das principais produtoras de gado do país, em um parâmetro global de boas práticas de produção. Juntos, esses pecuaristas ajudam a preservar uma área de mais de 50 mil hectares de Reserva Legal e Áreas de Preservação Permanente.

As ações do programa têm o horizonte de três anos para apresentar resultados. Graças ao trabalho já de seis anos da Liga do Araguaia, a região conta hoje com um grupo de pecuaristas organizados e inovadores, referência no país a partir sua produção sustentável.

Parceria:

O projeto CONSERV no Araguaia, parceria da Liga do Araguaia com o IPAM, Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia, visa oferecer compensação financeira a proprietários rurais participantes da Liga do Araguaia que detenham em suas propriedades áreas de vegetação nativa excedente às exigências do Código Florestal e que se disponham a mantê-las sob vegetação nativa/conservação. Voltado em sua fase inicial ao atendimento de cerca de 15 fazendas, tem como meta a contratação de 9.000 hectares de excedentes em sua primeira fase, mediante o pagamento anual por hectare disponibilizado ao longo de três anos. Concretiza-se desta forma uma ferramenta pioneira de Pagamento por Serviços Ambientais (PSAs) prestados por essas áreas.

Parceria:

Fruto de parceria firmada com a empresa Raízes Desenvolvimento Sustentável, o projeto RAÍZES Araguaia busca fortalecer o turismo ecológico na região como iniciativa de inclusão social e econômica, ao tempo em que promove o aumento da renda das fazendas de pecuária através de iniciativas na área do turismo ecológico e rural.

Focado em um conjunto de atrativos ambientais e razoável infraestrutura presentes na região, o projeto se iniciou pela elaboração de proposta de programa para a região denominado “Programa Incluir: Turismo Roncador-Araguaia”, voltado ao fortalecimento do turismo como ferramenta de desenvolvimento econômico e inclusão social através da:

  • Valorização do patrimônio sociocultural da região;
  • Valorização do ativo ambiental e estímulo à conservação;
  • Estímulo ao empreendedorismo;
  • Fixação do homem ao campo, combatendo o êxodo rural e fortalecendo os vínculos com o território.